30 de out de 2011

DICAS PARA O VESTIBULAR É SÓ CLICAR... (UFPE e UPE)

Click abaixo para ver os principais conteúdos que cairam na UFPE


http://fsalvari.blogspot.com/2010/09/conteudos-que-mais-cairam-na-ufpe-de.html



Click abaixo para ver os principais conteúdos que cairam na UPE

http://fsalvari.blogspot.com/2010/09/upe-conteudos-que-mais-cairam-entre.html



Click abaixo para ver a história do Cinema

http://fsalvari.blogspot.com/2010/09/historia-do-cinema-nacional.html



click abaixo para ver os grandes mestres da Sociologia

http://fsalvari.blogspot.com/2010/09/grandes-mestres-da-sociologia.html



click abaixo para ver o dicionário básico de sociologia

http://fsalvari.blogspot.com/2010/09/dicionario-basico-de-sociologia.html



click abaixo para ver os conceitos básicos de Sociologia

http://fsalvari.blogspot.com/2010/11/conceitos-basicos-de-sociologia.html

26 de out de 2011

GABARITO - 9ºANO - AP3

01 - (UERJ)


A viagem do homem à Lua, em julho de 1969, representou uma das conquistas científicas de maior repercussão do século XX.





www.vale1clique.com



Esse acontecimento teve grande significado político em função da conjuntura da época, marcada pela:



a) aliança militar entre países não alinhados

b) bipolaridade entre os blocos capitalista e socialista

c) coexistência pacífica entre regiões descolonizadas

d) concorrência tecnológica entre nações desenvolvidas



Gab: B



02 - (UFRN)

A imagem abaixo ilustra um aspecto da política externa norte-americana no período posterior à Segunda Guerra Mundial.





Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2009.



O Plano Marshall ao qual o cartaz se refere visava a



a) estabelecer bases políticas e militares nos países do Leste Europeu, enfraquecendo o poderio da União Soviética.

b) bloquear o desenvolvimento econômico dos países dominados pela URSS, subordinando-os aos interesses norte-americanos.

c) recuperar economicamente os países europeus devastados pela guerra e impedir a disseminação dos ideais comunistas.

d) garantir o acentuado processo de desnazificação na Alemanha, o qual era uma das grandes bandeiras dos EUA.



Gab: C



03 - (UFMG)

Os anos posteriores à Segunda Guerra Mundial foram tensos entre as grandes potências mundiais.

Considerando-se a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e o Pacto de Varsóvia, criados nesse período, é CORRETO afirmar que



a) a OTAN visava a apaziguar os conflitos relacionados à divisão da cidade de Berlim, bem como a proteger os países sob sua influência econômica das ameaças de invasão externa e de conflitos militares.

b) ambos desenvolveram políticas que incentivaram a chamada corrida armamentista, que, durante o período da Guerra Fria, colocou o Planeta sob a ameaça de uma guerra nuclear.

c) ambos foram estabelecidos, simultaneamente, para defender os interesses dos países que disputavam, após a Segunda Guerra, uma reordenação dos espaços europeu e americano.

d) os países signatários do Pacto de Varsóvia se aliaram e, para defender seus interesses financeiros, formaram um bloco econômico, a fim de competir com a Alemanha, a Inglaterra e os Estados Unidos.



Gab: B



04 - (UERJ)





A derrubada do Muro de Berlim completará vinte anos em 2009. Construído em agosto de 1961, sua destruição é lembrada como marco do fim de uma época.

Indique o significado político da queda do Muro de Berlim para a Alemanha e o significado simbólico desse acontecimento para o contexto político internacional.



Gab:

Significado político: para a Alemanha, a destruição do Muro de Berlim definiu o início do processo de sua reunificação política.

Significado simbólico: no contexto político internacional, a queda do Muro de Berlim simbolizou o fim da Guerra Fria, do domínio soviético sobre a Europa do leste e, sobretudo, um marco do descrédito da via socialista como contraponto à via capitalista.



05 - (CEFET PR)

“Guerra fria” foi como ficou mais conhecido o período de tensão entre o sistema capitalista ocidental e o bloco comunista da Europa oriental, que se seguiu ao fim da Segunda Guerra Mundial e que se estendeu até 1991, com o esfacelamento da antiga URSS. No plano interno, entre 1950 e 1954, os EUA conduziram uma forte política de combate ao comunismo em seu território e vários cidadãos foram presos ou marginalizados por defenderem idéias supostamente “esquerdistas”.



O texto refere-se ao(à):

a) Aliança para o Progresso.

b) Doutrina Truman.

c) Teoria do Dominó.

d) Doutrina do Destino Manifesto.

e) Macarthismo.



Gab: E



06 - (UFG GO)

Leia o fragmento abaixo.

Em janeiro de 1941, a sorte da Europa e do mundo parecia selada. Só um cego e um surdo voluntário podia duvidar do destino reservado aos judeus numa Europa alemã.

LEVI, Primo. A tabela periódica. Rio de Janeiro:

Relume-Dumará, 1994. p. 55. [Adaptado].



O texto acima se reporta a um acontecimento decisivo ligado à Segunda guerra Mundial (1939-1945). Com base nessas informações, responda qual era o destino a que o autor se refere no texto e explique o princípio que legitimava esse destino.



Gab:

Numa Europa alemã, o destino reservado aos judeus era o seu completo aniquilamento (“a solução final”). Para tanto, o Estado alemão organizou sistematicamente uma imensa indústria da morte, deportando os judeus de vários países da Europa para campos de concentração e extermínio, dos quais destacava-se Auschwitz.

O racismo legitimava a ação nazista. A idéia da superioridade natural da “raça ariana” (alemã) sobre as demais deu ao regime nazista as prerrogativas para a organização de um novo mundo, hierarquizado racialmente. Nesse “novo mundo” não havia lugar para os judeus.



07 - (UFRN)

Vinícius de Moraes, inspirado em acontecimentos ocorridos em meados do século XX, escreveu o seguinte poema:



“Pensem nas crianças

Mudas telepáticas

Pensem nas meninas

Cegas inexatas

Pensem nas mulheres

Rotas alteradas

Pensem nas feridas

Como rosas cálidas

Mas só não se esqueçam

Da rosa, da rosa

Da rosa de Hiroshima

A rosa hereditária

A rosa radioativa

Estúpida e inválida

A rosa com cirrose

A anti-rosa atômica

Sem cor, sem perfume

Sem rosa, sem nada”.

MORAES, Vinícius de. Rosa de Hiroshima. Intérprete: Secos & Molhados. In: SECOS

E MOLHADOS. Secos & molhados. São Paulo: Continental, p 1973. 1 CD. Faixa 9.

(Série Dois Momentos).



Considerando o poema,

a) identifique o fato histórico que inspirou o poeta;

b) explique a relação desse acontecimento com o conflito internacional que ocorria naquele momento histórico;

c) analise dois efeitos ambientais provocados por esse acontecimento no local a que o poema faz referência.



Gab:

a) Trata-se do lançamento da bomba atômica, pelos EUA, sobre a cidade japonesa de Hiroshima.

b) A resposta deverá apresentar uma das explicações a seguir:

A Segunda Guerra Mundial foi um conflito bélico internacional ocorrido entre 1939 e 1945. Na transição da década de 1930 para a de 1940, dois blocos de países se organizaram: de um lado, o EIXO (formado pela Alemanha, Itália e Japão); do outro, os ALIADOS (formado inicialmente pela Inglaterra e França; posteriormente, recebeu a adesão dos EUA, da URSS, do Brasil e de outros países). A política expansionista dos países do Eixo e a disputa ideológica têm sido apontadas como fatores que favoreceram a eclosão da guerra. Porém, é necessário considerar também o interesse expansionista dos EUA e da Inglaterra.

O lançamento da bomba está relacionado a uma série de acontecimentos ocorridos em 1945: Em 28 de abril de 1945, Mussolini foi preso e fuzilado pela resistência italiana; no final de abril (possivelmente dia 30), Hitler suicidou-se; em 7 de maio de 1945, o alto comando alemão se rendeu aos aliados. Em agosto de 1945, a vitória aliada já estava definida, apenas as tropas japonesas se recusavam a depor as armas. Aproveitando-se desse fato, os EUA lançaram duas bombas, a primeira em Hiroshima (em 6 agosto de 1945) e a segunda em Nagasaki (no dia 9 do mesmo mês). Harry Truman foi o presidente americano que ordenou a ação militar.

c) A explosão provocou um calor de cerca de 5,5 milhões de graus centígrados, similar às temperaturas próximas ao limbo do sol. Após o lançamento, um clarão (na forma de cogumelo) ergueu-se à altura de 9.000 m, provocando ventos de 640 a 970 km/h e espalhando material radioativo numa espessa nuvem de poeira.

Destruição das cidades. Quando atingiu seu alvo, um furacão de fogo arrasou a cidade: centenas de milhares de pessoas feridas, cobertas de vidro e madeira ou com seus corpos queimados. Hiroshima tinha, na época, cerca de 330 mil habitantes e era uma das maiores cidades do Japão. o bombardeio matou cerca de 130 mil pessoas e feriu outras 80 mil. A maioria das vítimas era formada pela população civil, que nada tinha a ver com a guerra. Milhares de pessoas foram desintegradas e, em função da falta de cadáver, as mortes jamais foram confirmadas. Prédios e vegetação sumiram, transformando a cidade num deserto. Num raio de 2 km, a partir do centro da explosão, a destruição foi total. A bomba lançada é até hoje a arma que mais mortes provocou em pouco tempo (221.893 mortos é o total das vítimas da bomba reconhecidas oficialmente).

Efeitos a médio e longo prazo. A bomba também afetou seriamente a saúde de milhares de sobreviventes. Os efeitos radiativos permaneceram durante muito tempo. A partir dos acontecimentos, muitas crianças ficaram cegas, outras já nasceram cegas; as casas e as árvores foram destruídas, alterando a vida das pessoas. Fala-se na “hereditariedade da bomba” para referir-se aos efeitos que permaneceram por várias gerações.



08 - (FATEC SP)

Considere o texto.



GDANSK - O presidente e o primeiro-ministro da Polônia, Lech Kaczynski e Donald Tusk, comandaram nesta terçafeira, 1, em Gdansk, a cerimônia que lembrou o momento exato dos 70 anos do início da Segunda Guerra Mundial. Às 4h45 de 1º de setembro de 1939, o encouraçado alemão Schleswig-Holstein abriu fogo contra a guarnição da península de Westerplatte, nas cercanias de Gdansk, dando início à Segunda Guerra Mundial. “Westerplatte é o símbolo da luta do fraco contra o forte”, assinalou Kaczynski, em discurso no qual reivindicou o papel de vítima da Polônia contra “os totalitarismos nazista e bolchevique”.

(http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,polemica-historica-marca-cerimonia-de-70-anos-da-2-guerra, 427842, 0.htm acessado em 05.09.2009)





(http://www.integral.br/zoom/imgs/324/image001.jpg, acessado em 01.09.2009)



O trecho do artigo e a charge de Belmonte remontam a um importante e polêmico episódio ligado à 2ª Guerra Mundial. Esse episódio foi



a) a divisão da Alemanha, logo após a 2ª Guerra Mundial, em Alemanha Ocidental, pertencente ao bloco capitalista, e Alemanha Oriental, pertencente ao bloco comunista.

b) a operação Barba Ruiva, executada pela Alemanha e por ela descrita como uma cruzada para salvar a Europa do bolchevismo judaico.

c) a batalha de Stalingrado, em que soldados e civis russos defenderam a cidade de Stalingrado do ataque alemão, interessado no domínio do centro industrial existente às margens do rio Volga.

d) o Dia D, momento que marcou o avanço da força aliada, liderada pela Rússia, sobre o exército alemão, ocorrido na região da Normandia.

e) a assinatura do pacto de não-agressão, assinado pela Rússia comunista e pela Alemanha nazista, pacto esse que previa, em segredo, a divisão da Polônia entre as duas partes.



Gab: E

24 de out de 2011

GABARITO SOCIOLOGIA AP3 -2ºANO

1 - (UERJ)


A televisão tornou-se, nos últimos trinta anos, o principal meio de comunicação na sociedade brasileira. As duas imagens possibilitam a identificação da seguinte característica dessa expansão e um de seus efeitos:



SCHWARCZ, Lilia M. (org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.



a) popularização dos programas transmitidos – massificação dos hábitos de consumo

b) substituição da radiodifusão – ampliação dos direitos de cidadania

c) diminuição do consumo de materiais impressos – alienação em relação aos valores culturais

d) difusão tecnológica – aumento da inclusão social



Gab: a



02 - (UESC BA)

A charge denuncia, de forma satírica,



a) o alto preço da implantação da televisão digital.

b) a deficiência na transmissão de sinais de TV, nas favelas brasileiras.

c) a desigualdade social e as deficientes condições de moradia da população pobre do país.

d) os gastos supérfluos da população suburbana, que compra televisão toda vez que há um lançamento no mercado.

e) os problemas de saneamento básico e falta de escolas nas áreas de moradia da população pobre das grandes cidades brasileiras.



Gab: c



3 ) - (UFPE)

As incertezas do mundo contemporâneo trazem medos e desfazem antigas utopias políticas. Vivemos numa sociedade de massas, com avanços tecnológicos e apelos consumistas cotidianos, embora subsistam muitas desigualdades sociais. Historicamente, neste mundo de inquietudes e turbulências, o Brasil:

a) mudou em muitos aspectos, derrubando o que restava de conservadorismo.

b) conseguiu avançar na modernização, apesar das dificuldades sociais.

c) transformou–se politicamente, criando uma estrutura partidária estável.

d) consolidou–se como potência industrial, urbanizando–se sem problemas.

e) perdeu sua autonomia cultural, sendo apenas um reflexo do mundo internacional.



Gab: B



04- (FUVEST SP)

Sobre os últimos 50 anos no Brasil, é possível afirmar que:

a) Cresceu a população das cidades, desapareceu a dependência econômica e acentuou-se o preconceito racial.

b) Progrediu a tendência ao federalismo, a Igreja Católica perdeu seu poder e foram raras as crises econômicas.

c) Aumentou o setor de serviços, houve significativo êxodo rural e a condição da mulher transformouse.

d) Melhorou a pesquisa científica, a economia atingiu patamares de primeiro mundo e a tecnologia alcançou a maioria da população.

e) Avançou a reforma agrária, a renda nacional passou a ser melhor distribuída e aumentou o protecionismo à produção nacional.



Gab: C



05 - (UERJ)



(Jornal do Brasil , 27/02/1994)



O desmonte do Morro do Castelo, em 1922, e a reabilitação do Paço Imperial, a partir de 1985, são exemplos de ações políticas que se baseiam em distintas concepções de preservação de sítios históricos.

Os fatores ideológicos que nortearam tais ações nesses momentos históricos de mudança e de permanência, respectivamente, são:

a) superação da ordem colonial e resgate da memória social

b) negação da origem européia e estruturação do poder público

c) difusão dos princípios positivistas e construção da cidadania ativa

d) substituição do ideário monárquico e emergência da cultura popular



Gab: A



06 - (UERJ)

Disneylândia



(...)

Música hindu contrabandeada

por ciganos poloneses faz sucesso

no interior da Bolívia.

(...)

Multinacionais japonesas instalam

empresas em Hong-Kong e

produzem com matéria-prima brasileira

para competir no mercado americano.

(...)

Titãs



Samba do approach



Venha provar meu brunch

saiba que eu tenho approach

na hora do lunch

eu ando de ferryboat

eu tenho savoir-faire

meu temperamento é light

minha casa é hi-tech

toda hora rola um insight

(...)

Zeca Baleiro



Os fragmentos das letras de música fazem referência a várias dimensões do processo de globalização vigente no sistema capitalista, sobretudo a partir da década de 1980.

Uma característica econômica e uma tendência desse processo, respectivamente, são:

a) estatização das empresas – homogeneização do consumo

b) redução da intervenção estatal – padronização de culturas

c) internacionalização dos processos de produção – diminuição da exclusão social

d) segmentação dos investimentos internacionais – diversificação dos modelos educacionais



Gab: B



7 ) A mudança pode ser causada por diversos fatores. Exceto:

a) Fatores geográficos – processos que levam ao êxodo ( migração )

b) Fatores econômicos – Desenvolvimento econômico contribui para as mudanças, ex.: Revolução Industrial. ( Passagem de uma classe a outra )

c) Fatores sociais – Conflitos entre classes ( Ex.: Revolução Francesa )

d) Fatores culturais – surgimento de uma nova crença social, ex.: cristianismo, islamismo.

e) Forças centrípetas – aquelas que tem origem no centro da própria sociedade através da invenção e patrimônio cultural



Gabarito: E



8 ) Diferencie:



Invenção

Descoberta

















9 ) As atitudes individuais e sociais que favorecem ou rejeitam a mudança social podem ser classificadas em quatro tipos: conservador, reacionário, reformista ou progressista e revolucionário. Conceitue.

conservador



reacionário



Reformista ou progessista



Revolucionário

GABRITO SOCIOLOGIA 1º ANO

1º ano sociologia




1 ) Para a sociologia, grupo social é:

a) toda reunião mais ou menos estável de duas ou mais pessoas associadas pela interação

b) qualquer associação de pessoas que tem um objetivo comum.

c) A organização formada por individuos que tem por objetivo o enriquecimento pessoal.

d) a união de todos os indivíduos da sociedade capitalista. Essa união é estável e numerosa.

e) Formada por indivíduos que se unem através apenas da identificação de outros membros da comunidade.



Gabarito: A

2 ) Entre os diversos grupos existentes indique e comente sobre quatro.





Grupos





Definição



































3 ) Nas mais diversas sociedades existentes no mundo temos diferentes formas de grupos socias. Dentre as principais características dos grupos sociais, podemos excluir:

a) interação social – para que haja grupo é preciso a interação.

b) organização – necessita de uma certa ordem interna (estabilidade).

c) Flexibilidade – as pessoas podem se relacionar com as outras livremente.

d) Consciência Grupal ou sentimento de “nós” – Compartilhamento de uma série de ideias, valores e modos de agir.

e) Pluralidade de indivíduos – grupo da ideia de coletivo



Gabarito : C



4 ) Escreva abaixo a diferença entre:



Grupo Secundário

Grupo intermediário



















5 ) Entre as características de multidão, não podemos atribuir:



a) Falta de Organização – pode até contar com um líder, mas falta normas a serem seguidas e hierarquia definida;

b) Anonimato – Os componentes são anônimos – suas referências se perdem no contexto.

c) Objetivos comuns – os interesses, emoções e os atos são coletivos numa multidão;

d) Diferenciação - os indivíduos são vistos como parte da multidão;

e) Proximidade física – os componentes ficam próximos uns dos outros, mantendo contato direto e temporário.



Gabarito: D



6 ) Explique a diferença entre público e massa.



Público

Massa

















7 ) - (UERJ)

A charge se refere criticamente aos processos de transformação tecnológica de serviços públicos tradicionais, tais como o ensino.





(Folha de São Paulo, 29/11/2000)



Essa crítica se baseia no pressuposto de que a eficácia das novas tecnologias depende do seguinte fator:

a) Encarecimento de custos do ensino público.

b) Revolução nas condições de vida locais.

c) Tendência à privatização do ensino.

d) Contexto social de seus usuários.



Gab: D



8 ) (UERJ)

A televisão tornou-se, nos últimos trinta anos, o principal meio de comunicação na sociedade brasileira. As duas imagens possibilitam a identificação da seguinte característica dessa expansão e um de seus efeitos:



SCHWARCZ, Lilia M. (org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.



a) difusão tecnológica – aumento da inclusão social

b) substituição da radiodifusão – ampliação dos direitos de cidadania

c) popularização dos programas transmitidos – massificação dos hábitos de consumo

d) diminuição do consumo de materiais impressos – alienação em relação aos valores culturais



Gab: C



02 - (UESC BA)

A charge denuncia, de forma satírica,



a) a desigualdade social e as deficientes condições de moradia da população pobre do país.

b) o alto preço da implantação da televisão digital.

c) a deficiência na transmissão de sinais de TV, nas favelas brasileiras.

d) os gastos supérfluos da população suburbana, que compra televisão toda vez que há um lançamento no mercado.

e) os problemas de saneamento básico e falta de escolas nas áreas de moradia da população pobre das grandes cidades brasileiras.



Gab: a

GABARITO - 2º ANO - AP3 - HISTÓRIA

01 - (UFPR)


Com relação ao Estado Novo, de 1937 a 1945, é correto afirmar:



a) Foi um período de desenvolvimento do liberalismo democrático no país, permitindo com isso a consolidação da liderança política de Getúlio Vargas.

b) Ampliou os conflitos oligárquicos e a pressão do capital internacional, culminando com o suicídio de Vargas.

c) A política desenvolvimentista de abertura ao capital estrangeiro permitiu o crescimento das alianças políticas e comerciais entre Brasil e Estados Unidos.

d) A proximidade política de Vargas com os regimes totalitários nazi-fascistas levou o Brasil a apoiar militarmente os países do Eixo na Segunda Guerra Mundial.

e) Foi marcado pela crítica à democracia liberal e pela organização de um estado autoritário, encarregado de promover o progresso dentro da ordem.



Gab: E



02 - (UFRN)

As imagens abaixo fazem referência a duas das mais ativas agremiações políticas brasileiras da década de 1930.





Disponível em: Acesso em: 28 ago. 2009.





Disponível em: Acesso em: 10 ago. 2009.



Sobre as agremiações políticas às quais essas imagens estão vinculadas, é correto afirmar:



a) Eram profundamente influenciadas pelos ideais anarquistas e comunistas, que, a partir da Europa, se difundiram para o Brasil.

b) Estavam em posições ideológicas antagônicas, que refletiam o contexto de polarização existente na Europa.

c) Participaram de um governo de coalizão com Vargas, após o golpe de 1937, que instituiu o Estado Novo no Brasil.

d) Difundiram o ideário nazifascista, proposto pelos comunistas e integralistas, base ideológica do Estado Novo.



Gab: B



03 - (UNIR RO)

Em 1937, o Governo Vargas implantou o Estado Novo. Sobre esse período, é correto afirmar:



a) Foi um período de intenso combate ao crime organizado, no qual as quadrilhas de tráfico internacional de armas e drogas estiveram desarticuladas.

b) Foi um período de intenso avanço das liberdades democráticas, no qual o Partido Comunista Brasileiro lançou a candidatura de Luis Carlos Prestes a uma vaga na Câmara dos Deputados.

c) Foi marcado por uma ditadura política violenta na qual os direitos e liberdades democráticos foram severamente limitados e os opositores presos, tendo sido alguns deportados.

d) Foi um período marcado por rigorosa política de segurança nas ruas do Rio de Janeiro, protegendo os cidadãos da ação de assaltantes e inibindo a prostituição.

e) Foi um período de grandes avanços na política externa, notadamente pelo estreitamento de relações entre o Brasil e os países do Leste Europeu.



Gab: C



04 - (UNICID SP)

Demagogo e populista, deixou o magistério para desenvolver uma carreira política meteórica, saindo do quase anonimato e chegando à presidência da República em um curto espaço de tempo. Nunca manteve fidelidade partidária, e moldou sua imagem aos anseios populares, apresentando-se como um homem de hábitos simples, vigoroso guardião da moral e defensor da honestidade. O político em questão é



a) Juscelino Kubitschek.

b) Getúlio Vargas.

c) Fernando Henrique Cardoso.

d) Jânio Quadros.

e) Fernando Collor de Melo.



Gab: D



05 - (MACK SP)

Em fins de agosto de 1961, a imprensa anunciava que Ranieri Mazzilli assumia o governo em seguida à inesperada renúncia de Jânio Quadros. O presidente vinha sendo alvo de agudas críticas, entre outras razões, porque

a) a política econômica adotada por Jânio assumia cada vez mais uma orientação efetivamente socialista, visível na aproximação das relações diplomáticas e comerciais com Cuba e com a URSS.

b) acirrava-se o desacordo entre o presidente e seu vice, João Goulart, eleito por outro partido, tornando impossível a permanência de um e outro, juntamente, no comando político do país.

c) grande parte do empresariado nacional se descontentara com a política demasiado democrática do presidente, que pusera em execução um sem-número de planos de melhorias sociais, tanto nas cidades como no campo.

d) setores conservadores da sociedade se opunham ao caráter “independente” da política externa de Jânio, sobretudo após a inopinada condecoração, pelo presidente, do ministro cubano Ernesto Guevara.

e) havia claros indícios de que, com o apoio das Forças Armadas, Jânio pretendia articular um golpe contra o Congresso Nacional (as “forças ocultas” da carta-renúncia), fechá-lo e governar ditatorialmente.



Gab: D



06 - (FATEC SP)

Considere o texto.



A posse de João Goulart na presidência significava a volta do esquema populista, em um contexto de mobilizações e pressões sociais muito maiores do que no período Vargas. Os ideólogos do governo e os dirigentes sindicais trataram de fortalecer o esquema. (...) O Estado seria o eixo articulador dessa aliança, cuja ideologia básica era o nacionalismo e as reformas sociopolíticas denominadas de reformas de base.

(FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp/FDE, 1996. p. 447)



As reformas de base a que o texto se refere tinham como objetivo, entre outros,



a) garantir o acesso de trabalhadores do campo à propriedade, atendendo a parte das reivindicações de sindicatos rurais.

b) realizar uma ampla reforma tributária, ampliando as taxas de juros dos bancos privados nacionais e internacionais.

c) vender aos trustes e cartéis internacionais algumas empresas nacionais como forma de obter receita para o Estado Brasileiro.

d) conceder aos fazendeiros os títulos de propriedade de terras que estavam ocupadas há muito tempo pelos posseiros.

e) mudar a legislação eleitoral com o objetivo de restringir a candidatura dos analfabetos aos cargos do poder executivo.



Gab: A



07 - (PUC RS)

No combate à inflação, o governo de Eurico Gaspar Dutra (1946-1951) buscou direcionar os gastos públicos em investimentos nos setores considerados prioritários. Nasceu, então, o plano SALTE, destinado a investir em saúde, alimentação, transporte e energia. Mas o desenvolvimento brasileiro, especialmente da indústria, ficou abaixo das aspirações dos industriais brasileiros. Isso ocorreu em razão



a) de políticas econômicas que regulavam os preços dos produtos essenciais, para proteger a indústria nacional.

b) das facilidades à exportação de bens duráveis, promovidas pelas políticas econômicas do governo.

c) da abertura do mercado brasileiro à importação de bens supérfluos.

d) de políticas econômicas voltadas para a seleção das importações, priorizando os bens duráveis.

e) da captação de recursos a partir da construção das indústrias de base e da política econômica nacionalista do governo.



Gab: C



08 - (UNISC RS)

A chamada “Era Vargas” começa com a Revolução de 30, que depôs Washington Luís, e termina com a deposição de Getúlio Vargas em 1945. O período foi marcado pelo aumento gradual da intervenção do Estado na economia e na organização da sociedade. Durante o Estado Novo (1937-1945), houve um crescente autoritarismo e a centralização do poder.



Refere-se a esse período

a) a decretação do AI-5, que fechou o Congresso e estabeleceu a censura prévia.

b) a Revolução Federalista liderada pela oposição paulista em 1932.

c) o suicídio de Vargas em 1945, que abriu caminho para a redemocratização.

d) o controle sobre os sindicatos, com exceção das confederações como a CUT e a CGT.

e) a promulgação da Constituição de 1937, que considerava o Executivo “órgão supremo do Estado”.



Gab: E



09 - (MACK SP)

A renúncia de Jânio deixou o país à beira do caos e de uma guerra civil. A ameaça à legalidade institucional poderia trazer conseqüências drásticas para o país.

O Rio Grande do Sul, cujo governador era Leonel Brizola, se transformou no foco principal da luta pró João Goulart.

Francisco de Assis Silva, História do Brasil



Essa crise política foi temporariamente controlada em 1961, por meio:

a) do suicídio de Jango.

b) do Ato Institucional número 5.

c) da Emenda Parlamentarista.

d) das Reformas de Base.

e) do golpe Militar.



Gab: C



TEXTO: 1 - Comum à questão: 10





Na década de 50 do século passado, quando a necessidade de reconstrução de parte do mundo obrigava a pensar em novos projetos, ou quase mesmo em uma nova civilização, o Brasil viveu com alguma euforia seus compromissos com uma ampla modernização. Não por acaso, as artes também deram voz a esse desejo de modernidade, o que se refletiu, por exemplo, em “planospilotos” de uma nova poesia. Imbuídos da supremacia de um senso técnico da linguagem, os poetas do Concretismo se apresentaram como porta-vozes de novas necessidades, entendendo que para atendê-las era preciso superar de vez não apenas os traços líricos da poesia tradicional, mas a existência mesma do verso como unidade definidora de um poema. Propunham-se, por assim dizer, a investir numa espécie de infraestrutura revolucionária da poesia brasileira, uma espécie de indústria siderúrgica básica que enterraria de vez o passadismo de um Brasil bucólico e sentimental.



(Aderbal Tourinho Veiga, inédito)



10 - (PUCCamp SP)

É possível associar a euforia vivida no Brasil, a que Aderbal Tourinho faz referência, ao Plano de Metas, de Juscelino Kubitschek. Pode-se afirmar que embora o êxito desse Plano, tenha sido inegável, alguns de seus resultados ficaram a desejar, pois,



a) o planejamento econômico produziu o desenvolvimento industrial e empobreceu a população por meio do arrocho salarial dos trabalhadores.

b) a expansão econômica favoreceu os grupos mais ricos da sociedade e promoveu extrema desigualdade na distribuição de renda.

c) o processo de criação da moderna legislação social brasileira foi interrompida e conduziu a um retrocesso do movimento operário sindical.

d) a concentração de renda gerou a miséria e preparou a onda de violência urbana que explodiria uma década depois nas grandes cidades.

e) a expansão industrial beneficiou apenas algumas regiões do país e alimentou as desigualdades regionais, as migrações e o êxodo rural.



Gab: E

GABARITO HISTÓRIA 1º ANO AP3

01 - (FEPECS DF)


A expansão marítima e comercial portuguesa foi fruto de um amplo processo de transformações no continente europeu a partir da crise final do sistema feudal entre o século XIV e o século XV. A formação do estado absolutista português através da Revolução de Avis (século XIV) permitiu as condições mínimas para a aventura portuguesa sobre os continentes africano, asiático e americano. Os principais objetivos da expansão marítima e comercial portuguesa foram:



a) a necessidade de conquistar mercado consumidor para os produtos industriais portugueses e pela exportação de mão de obra excedente de Portugal;

b) a grande quantidade de capitais excedentes em Portugal, interessados em novos investimentos, e o avanço dos ideais liberais no país;

c) a necessidade de obter um novo mercado de matérias-primas e a elevada carga tributária cobrada pelos turco-otomanos no comércio do mediterrâneo;

d) o interesse da Igreja Luterana, que se consolidou em Portugal com a Revolução de Avis, e a necessidade de novas rotas de comércio;

e) o interesse dos portugueses em exportar produtos agrícolas para novos mercados fora da Europa e a necessidade de obtenção de mão-de-obra escrava.



Gab: C



02 - (FFFCMPA RS)

Observe a charge abaixo.



NOVAES, Carlos Eduardo e LOBO, César. História do Brasil para

principiantes. São Paulo. Editora Ática, 2005.



A charge acima satiriza a exploração do território brasileiro pelos portugueses durante o Período Pré-Colonial. São características econômicas desse período:

a) latifúndios – escravidão – monocultura – exportação.

b) servidão coletiva – policultura – subsistência – sesmarias.

c) escravidão – policultura – mercado externo – minifúndios.

d) extrativismo – escambo – mercado externo – monopólio.

e) monocultura – mercado externo – mercantilismo – escravidão.



Gab: D



03 - (UNIFOR CE)

Analise o texto abaixo.



“Com a descoberta do novo caminho para as Índias, o comércio de especiarias transformou-se em preciosa fonte de riquezas para Portugal. (…) nessa época, quando as atenções portuguesas estavam voltadas ao comércio oriental, deu-se o ‘descobrimento’ do Brasil.

Após as primeiras expedições, os enviados da Coroa portuguesa perceberam que não seria possível obter lucros fáceis e imediatos. De início não encontraram jazidas de ouro. Embora houvesse, no litoral, grande quantidade de pau-brasil, do qual se extraía tinta corante para tecidos, o lucro gerado pela exploração dessa madeira seria menor do que o então vantajoso comércio de produtos africanos e asiáticos.”

(Gilberto Cotrim. História Global: Brasil e Geral. São Paulo: Saraiva, 2002, p. 194)



O texto faz referência às razões de o governo português, entre 1500 e 1530.

a) Limitar-se a enviar à colônia americana algumas expedições marítimas destinadas principalmente ao reconhecimento da terra e à preservação de sua posse.

b) Organizar expedições oficiais denominadas Entradas para penetrar no interior e expandir o território conquistado para além da linha das Tordesilhas.

c) Restringiu-se a estabelecer o monopólio da exploração das atividades extrativistas da colônia para incentivar a ocupação das terras americanas.

d) Criar condições políticas e administrativas que facilitassem e estimulassem as transações comerciais entre os nativos e os comerciantes lusitanos.

e) Dedicar-se apenas aos estudos das características físicas da colônia e da cultura de algumas comunidades indígenas do litoral brasileiro.



Gab: A



04 - (FATEC SP)

“A produção açucareira, limitada até o século XV, pôde deslanchar com a conquista do novo mundo.”

(CAMPOS, Flávio de & MIRANDA, Renan Garcia. A escrita da história.
São Paulo: Editora Escala Educacional, 2005.p.206.)



A explicação para a afirmação acima está



a) no sistema de plantation que foi implantado na América, caracterizando-se pela produção em larga escala, pelo latifúndio, pela monocultura e pela mão de obra assalariada.

b) na implantação das capitanias hereditárias na América portuguesa, o que facilitou o cultivo da cana por todo o território colonial.

c) na agricultura de subsistência, que foi largamente utilizada nas colônias americanas e que impulsionou o plantio da cana.

d) nas mudas de cana-de-açúcar encontradas em solo americano, que eram mudas de melhor qualidade do que aquelas encontradas no Oriente.

e) no clima quente e úmido da região tropical, na fertilidade do solo e, principalmente, na disponibilidade de imensas extensões de terra.



Gab: E



05 - (UFSCAR SP)

Cobravam o pedágio da ponte de madeira que ligava Recife a Santo Antônio, o que, sem contar os outros tributos, deu a ganhar àqueles, que tinham levado o empreendimento com o fim de utilidade pública, cem vezes mais que o seu custo. Os arrendatários que haviam combinado a construção fizeram-se pagar em Recife, na Cidade Maurícia, exigindo impostos tão excessivos pelo direito de passagem da ponte para os homens, cavalos, carros e mercadorias, que um homem a cavalo e seu escravo chegavam a pagar trinta soldos.

(Roulox Baro e Pierre Moreau, século XVII. Adaptado.)



É correto afirmar que o texto



a) apresenta o crescimento das cidades ligadas à produção do açúcar, que foi incentivado pela administração portuguesa colonial no Brasil.

b) fala que melhoramentos urbanos construídos pelos holandeses no Nordeste não tinham como finalidade o bem público.

c) sugere que, apesar dos impostos, a população colonial considerava os investimentos urbanos portugueses nas cidades uma importante benfeitoria pública.

d) ressalta o fato de que os investimentos urbanos coloniais eram pequenos diante da riqueza econômica rural.

e) valoriza a presença dos europeus no processo de implantação da civilização urbana nas terras coloniais brasileiras.



Gab: B



06 - (UDESC SC)

A ideia de família patriarcal, mormente usada para caracterizar a sociedade da América portuguesa constitui alvo de constante discussão e revisão por diferentes historiadores que põem em xeque a generalização desse modelo para toda a sociedade colonial.



Assinale a alternativa incorreta, em relação a esta informação.



a) A família patriarcal com núcleo central composto pelo chefe da família – o homem, a mulher, os filhos, os netos, além de um núcleo secundário, formado por parentes, afilhados, agregados, amigos, serviçais, escravos, etc. – foi um modelo quase que exclusivo das elites agrárias do Brasil colonial.

b) A família patriarcal existiu e foi importante na sociedade colonial, porém é certo que não existiu sozinha.

c) Embora o modelo seja verdadeiro e corresponda ao passado familiar da América portuguesa, os modelos de família variaram segundo as heranças culturais, a região, as condições social e jurídica de seus componentes, entre outros.

d) Os historiadores discordam da generalização por um único e importante aspecto: a família patriarcal é um modelo válido apenas para a população branca que vivia na América portuguesa; não é válida para os escravos e índios, pois se sabe que essas populações não tinham família.

e) A família nuclear – formada pelo pai, a esposa e os descendentes legítimos, sem núcleo secundário – coexistiu com a família patriarcal na América portuguesa; este modelo ainda existe nos dias atuais, embora também não exista sozinho.



Gab: D



07 - (FEPECS DF)

No século XVI, o governo português resolveu assumir de forma direta a administração colonial brasileira a partir da criação do Governo Geral no país. Essa atitude não acabou com a propriedade das capitanias dos donatários, mas, efetivou um governo central que retirava a autonomia das Capitanias. A criação do Governo Geral no Brasil pode ser explicada principalmente pela necessidade do Governo português em:



a) garantir a segurança do território brasileiro de possíveis invasões estrangeiras e disseminar a produção de açúcar no território colonial brasileiro;

b) proteger a nossa colonização dos ataques frequentes dos indígenas aos produtores de café do litoral brasileiro e difundir a produção de algodão no sul do Brasil;

c) expulsar os holandeses do nordeste brasileiro e garantir, com isso, a produção açucareira da região através de uma parceria econômica com os espanhóis;

d) assegurar o avanço do território brasileiro em direção ao Potosí para efetivar a extração de ouro e prata com o total consentimento espanhol em função da União Ibérica entre 1580 e 1640;

e) proteger a presença da Igreja Católica no país em função dos constantes ataques dos indígenas que não aceitavam em hipótese alguma o processo de catequese jesuítico.



Gab: A



08 - (UNICID SP)

Exportações do Brasil Colonial (em milhões de libras esterlinas)





(Isto É Brasil: 500 anos)



A respeito das exportações brasileiras realizadas durante o período abordado pela tabela, é possível inferir que



a) a cana-de-açúcar foi o principal produto de exportação da economia brasileira, ao longo do período colonial, mesmo durante a fase de apogeu da mineração.

b) durante o século XVII, a cana-de-açúcar foi o principal produto de exportação da economia brasileira, contudo perdeu essa condição para o ouro durante o século XVIII.

c) tanto a mineração quanto a cana-de-açúcar entraram em declínio, ao longo de todo o século XVIII, devido à atitude portuguesa de não realizar investimentos no Brasil.

d) o ouro foi o principal produto de exportação da economia brasileira, ao longo de todo o período colonial, contudo seu apogeu ocorreu durante o século XVIII.

e) a mineração do ouro foi a principal atividade econômica, durante todo o século XVII, sendo suplantada pela cana–de-açúcar na segunda metade do século XVIII.



Gab: A



09 - (UFTM MG)

Os holandeses invadiram parte do Nordeste brasileiro no século XVII e, sob Maurício de Nassau (1637-1644), ocorreu o auge desse domínio. A administração de Nassau foi caracterizada

a) pela concessão de créditos aos senhores de engenho e por incentivos à produção cultural, com a vinda de artistas e cientistas.

b) por uma política de tolerância religiosa e pela tomada das terras dos colonos portugueses, a fim de assegurar aos holandeses a produção açucareira.

c) pela regularização do fornecimento de escravos africanos e pela proibição à participação política dos senhores de engenho.

d) pelo aumento dos impostos cobrados aos colonos portugueses e pela modernização dos engenhos de açúcar mediante investimentos.

e) pela utilização intensiva de mão-de-obra escrava indígena e pela política de arrocho colonial, com o reforço do monopólio.



Gab: A



10 - (UNIOESTE PR)

No período colonial (séculos XVI a XVIII), o engenho açucareiro integrou a paisagem do Nordeste brasileiro. Sobre a produção açucareira no Brasil no período, assinale a alternativa INCORRETA:

a) Os colonos portugueses, no século XVI, detiveram o monopólio da produção de açúcar, o que permitiu ao senhor de engenho adquirir grande prestígio graças à sua riqueza e poder.

b) No Brasil, foram usadas técnicas de produção já experimentadas pelos portugueses nas ilhas do Atlântico.

c) Durante a União Ibérica (158-1640), os portugueses se apropriaram das técnicas de produção do açúcar e desbancaram o monopólio holandês.

d) Desenvolveu-se no Nordeste uma economia baseada no latifúndio monocultor e escravocrata que atendia aos interesses do antigo sistema colonial português.

e) Algumas das funções no engenho eram exercidas por trabalhadores livres, mas a maior parte das tarefas era executada pelos escravos.



Gab: C

6 de out de 2011

Ocidente teme ascensão da Irmandade Muçulmana no Egito

Ocidente teme ascensão da Irmandade Muçulmana no Egito




Observadores afirmam que temores de "islamização do Egito" são infundados, pois a Irmandade Muçulmana estaria aberta a princípios democráticos e disposta a dialogar com outros grupos oposicionistas. Para o Ocidente, o presidente egípcio Hosni Mubarak sempre representou a garantia de que fundamentalistas se manteriam longe do poder. No entanto, diante da enorme pressão sobre Mubarak, o temor da "islamização" do Egito paira sobre os países ocidentais. Para o especialista em assuntos islâmicos, Lutz Rogler, o medo é infundado. Rogler argumenta que o movimento Irmandade Muçulmana, que existe já há mais de 80 anos, passou por transformações. A Irmandade não é mais um grupo militar. "Pois dentro do movimento há diferentes gerações e correntes. Além disso, o movimento se abriu para princípios democráticos e cooperação com outras forças de oposição."



Valores democráticos



A Irmandade Muçulmana foi fundada em 1928 pelo professor de ensino fundamental Hassan Al Banna como um movimento de reforma. O objetivo era a construção de uma sociedade baseada em princípios islâmicos. Somente depois da Segunda Guerra, a organização se desenvolveu como um movimento de massa no Egito. Mas após um atentado frustrado contra o presidente Gamal Abdel Nasser, a Irmandade se dissolveu em 1954 e muitos de seus membros foram executados. Foi no fim da década de 1970 que o grupo voltou à cena política e formou-se, desde então, como uma forte força de oposição. Além do engajamento político, o movimento também construiu hospitais e instalações sociais, o que fortaleceu sua posição entre as camadas mais pobres da população. Como partido, a Irmandade também continuou proibida durante o governo de Mubarak. Ainda assim, o movimento apoiou a candidatura de políticos independentes ao Parlamento egípcio, detendo assim, de fato, um quinto dos assentos desde 2005.



Não é uma revolução islâmica



Já há dias, a Irmandade Muçulmana participa dos protestos a favor da liberdade e democracia no Egito. No entanto, as manifestações não devem ser vistas como uma revolução islâmica, diz a versão oficial. Hilmi Jazzar, um dos líderes da organização, nega veementemente as alegações de que a Irmandade estaria esperando apenas o momento certo para tomar o poder. Segundo Jazzar, a organização aguarda a chance, juntamente com todos os outros partidos, de ser eleita pela população. "Então, o mundo verá um exemplo de democracia da qual a Irmandade Muçulmana fará parte, sem dominá-la."



Influência



Apesar do esforço da Irmandade Muçulmana de se mostrar como um partido democrático moderado, o Ocidente teme que, após a saída de Mubarak, o país sofra com um vácuo de poder. A ausência de uma liderança política pode ser usada pelos islâmicos para chegar ao poder, acredita-se. Uma preocupação não compartilhada por Lutz Rogler. "A influência da Irmandade Muçulmana nos protestos no Egito foi superestimada. Eu acredito também que o Ocidente tem uma preocupação exagerada ao temer uma possível participação islâmica num futuro governo." E caso haja, de fato, eleições livres, é incerta a quantidade de votos que a Irmandade Muçulmana conseguiria, adiciona o pesquisador.



Mudança liberal



Na visão de muitos observadores, a liderança da organização não está familiarizada com os desejos e exigências da maioria dos jovens manifestantes. Para o cientista político Hamed Abdel Samad, os conceitos e programas da Irmandade Muçulmana são pouco atraentes para a juventude egípcia. O próprio Samad foi, na juventude, membro do movimento. O especialista acredita que a atual aproximação entre todos os partidos nas ruas do Cairo irá levar a uma mudança liberal dentro da Irmandade Muçulmana. A velha guarda pertence de fato à era Mubarak. Mas existe uma nova geração, que agora sai às ruas", argumenta Samad. A conscientização dessa nova ala da Irmandade Muçulmana acaba se fortalecendo e se renovando durante as demonstrações. "Em torno de si, eles veem agora mulheres bonitas sem véu e politicamente ativas. E aos poucos as pessoas estão se acostumando com isso."



Autores: Nader Alsarras / Stephanie Gebert (np)

Fonte: http://www.dw-world.de/dw/article/0,,14822422,00.html dia 06/10/2011 19:00

4 de out de 2011

Conteúdos para AT3 - HISTÓRIA

9º Ano -

Governos Militares
Brasil: Nova República

1º ano -

Renascimento
Reforma e Contrarreforma

2º Ano

Ditadura Militar
De Sarney a Lula